Embora exista um mito de que a capacidade gerencial seja um dom, na verdade qualquer habilidade pode ser aprendida. Dedicando-se o tempo certo e se preparando adequadamente, dá para desenvolver vários tipos de competências, como de oratória, de gestão ou de negociação. Para tanto, é preciso investir em capacitação e buscar estratégias que possam auxiliar no desenvolvimento desses atributos, o que, por sinal, é essencial para a carreira.

Sabe-se que algumas pessoas começam suas jornadas profissionais com aptidões maiores a funções que exigem essas habilidades. Todavia, com persistência e um bom treinamento, os indivíduos que têm mais dificuldades também conseguem cultivar em si essas mesmas competências.

O desenvolvimento de qualquer habilidade, incluindo as gerenciais, passa por um programa de formação planejada, tanto formal (treinamentos específicos para estas funções) quanto pessoal. Nesse ponto, temos o exemplo de leituras que permitem o aperfeiçoamento individual da pessoa.

Para entender melhor como é possível desenvolver sua capacidade gerencial para promover sua ascensão profissional, continue lendo e confira o que preparamos sobre esse tema!

Que habilidades compõem o perfil de um profissional com capacidade gerencial?

Capacidade de liderança

O gestor precisa ser capaz de direcionar sua equipe para alcançar objetivos. Para isso, ele necessita coordenar, tornando-se um líder. Isso significa dar exemplos positivos, delegar tarefas de maneira equilibrada, orientar seus liderados, entre outras ações.

Conhecimento técnico

Bom domínio técnico em sua área de atuação é essencial para um gestor, pois seus colaboradores normalmente se reportarão a ele para solicitar ajuda com suas atividades. Esse conhecimento também é necessário para que o líder monitore e avalie as tarefas de seus subordinados, a fim de assegurar que sejam realizadas com a qualidade e a eficiência necessárias.

Capacidade de se relacionar

Um gestor deve ter boa capacidade de relacionamento, pois frequentemente lidará com pessoas diferentes não só em sua equipe, mas na empresa. Afinal, muitos planos e estratégias são elaborados em conjunto com outros gestores e profissionais de diferentes departamentos. Dependendo da área, ainda terá de interagir com clientes, fornecedores e até agentes do governo, como fiscais.

Boa comunicação

A capacidade de se relacionar depende de uma boa comunicação, portanto, são complementares. Além disso, ela é necessária para organizar e instruir seus subordinados e para defender ideias e projetos, bem como para justificar investimentos aos seus pares e superiores hierárquicos.

Habilidade de negociação e de conciliação

Para conseguir recursos é importante desenvolver a comunicação, mas também é preciso combiná-la a uma boa habilidade de negociação para defender propostas e realizar concessões controladas. Ela ainda é essencial em cargos que envolvem contatos com agentes externos, isto é, ao negociar preços e condições comerciais com fornecedores e com clientes.

A habilidade de conciliar também é fundamental a um gestor, uma vez que será necessário gerenciar interesses de vários indivíduos e empresas em seu cotidiano.

Foco em inovação

É preciso foco em inovação e criatividade para rever os fluxos organizacionais, com vista à melhoria contínua. Esse enfoque também é necessário para se buscar alternativas de processos mais eficientes para implementar na rotina profissional.

Visão sistêmica e processual

Uma visão processual é necessária a qualquer profissional que ocupe cargos de liderança, para que consiga avaliar os processos que compõem seu setor e sua empresa. Além disso, é preciso visão estratégica e sistêmica, para analisar os problemas organizacionais de todos os ângulos.

Como essas características têm impacto na gestão de um negócio?

A reunião dos atributos mencionados acima em um indivíduo compõe um dos perfis de gestores mais desejados pelas empresas. Isso porque o profissional que carrega essas qualidades e competências consegue atuar positivamente tanto dentro como fora da organização.

As habilidades interpessoais (comunicação, boa negociação, liderança etc.) possibilitam a ele se relacionar facilmente com funcionários, colegas e superiores, bem como com parceiros, clientes, fornecedores etc.

Por outro lado, o conhecimento técnico, aliado a uma visão sistêmica e à capacidade de inovar, permite a ele tomar decisões mais completas e criativas, avaliando tanto a conjuntura do negócio quanto possíveis consequências de suas ações.

Que obstáculos atrapalham o desenvolvimento de capacidades gerenciais?

Existem obstáculos que geram insegurança no profissional que precisa se desenvolver para conquistar um cargo gerencial. Por exemplo, há casos em que as pessoas tomam para si certos modelos de referência, deturpados de acordo com experiências negativas.

Se um profissional teve contato com um gestor que falava excessivamente sobre a importância de boas práticas de gestão, mas que na realidade não as aplicava adequadamente em seu cotidiano, poderá se criar uma falsa impressão sobre a efetividade de tais métodos. Esse profissional poderá pensar que eles não funcionam ou que são apenas teóricos, não tendo viabilidade prática.

A maioria dos trabalhadores de pequenas e médias empresas são liderados por gestores que, em muitos casos, não passaram por um preparo formal, o que leva a uma gestão muito empírica, baseada na tentativa e erro.

Espelhando-se na experiência que teve com esse tipo de líder, um colaborador talvez não enxergue que precisa se capacitar e buscar conhecimentos base para se converter em um bom gestor.

No entanto, existem métodos/técnicas amplamente testados, e com eficiência comprovada pelo mercado, que contribuem para o exercício do gerenciamento de pessoas no ambiente corporativo. Essas mesmas práticas podem ser replicadas se forem aprendidas e desenvolvidas pelo indivíduo.

Como exemplo, temos as técnicas de negociação balizadas pelo modelo de Harvard, os princípios do coaching e o design thinking. Esse último envolve uma metodologia para solucionar problemas e desenvolver produtos, reunindo processos normalmente aplicados por designers, como imersão, ideação, prototipagem de produtos etc.

Quem é gestor de primeira viagem também pode se sentir inseguro. Mas o fato de ser inexperiente não significa que não tem como ser um bom líder. Também ser um gestor há tempos não significa que se é um profissional de excelência.

Em certos casos, existe o gestor formal, aquele que às vezes nem tem competência para tal, mas que ocupa um cargo oficial de liderança. Isso costuma ocorrer, por exemplo, em empresas familiares.

Já outras pessoas são reconhecidas pelos seus pares como bons gestores (ou potenciais bons gestores) mesmo sem terem ocupado cargos desse tipo antes. Esses normalmente são profissionais que têm boa capacidade de organização e negociação, uma liderança mais consolidada na equipe e uma postura conciliadora.

Que opções ajudam a desenvolver habilidades gerenciais?

Talvez a mais conhecida seja a participação de treinamentos e de programas de capacitação. Todavia, é preciso considerar que o conhecimento é uma combinação entre elementos teóricos e práticos.

Portanto, o profissional pode participar de cursos, palestras e treinamentos periodicamente, mas se não aplicar o aprendizado obtido em sua rotina profissional, ele se torna incompleto. A prática sem a teoria gera retrabalho e baixa produtividade, enquanto a teoria sem a prática não gera nada.

Além disso, é possível aplicar técnicas e ferramentas gerenciais nas suas atividades, por mais básicas que elas possam ser. Veja exemplos de instrumentos e mais dicas para aperfeiçoamento.

Métricas de desempenho

Dá para organizar melhor as suas atividades, estabelecendo métricas de produtividade para si mesmo e saindo sempre de sua zona de conforto. É preciso assumir responsabilidades que vão além daquelas que já estão embutidas em sua função específica.

Feedbacks

Os feedbacks são ferramentas muito importantes no processo de capacitação gerencial. Em uma empresa com modelo estrutural consolidado, com avaliações dos pares e dos superiores, em um formato de 360 graus, esse recurso funciona muito bem para o desenvolvimento do profissional.

Isso porque cada colaborador oferece a sua visão sobre os pontos fortes e os pontos de melhoria a seus colegas, despertando nesses indivíduos reflexões sobre o que podem executar para serem profissionais melhores. O colaborador que cumpre este desenvolvimento e torna-se líder, também se credencia a realizar o mesmo trabalho de orientação com os seus liderados, em outro momento.

Auxílio de profissionais especializados

Outra forma de conseguir aprimorar suas capacidades gerenciais e, por consequência, melhorar sua gestão de carreira, é buscando ajuda de profissionais especializados. Nesse caso, você pode recorrer a consultores que tenham as habilidades apontadas neste artigo e que possam transmiti-las a você. A grande vantagem disso é que eles poderão passar dicas mais práticas, relacionadas ao dia a dia de uma empresa.

Por fim, é importante ficar atento aos seus colegas para verificar se você está ou não fazendo progressos. Quando eles passam a reconhecer seus avanços, notando melhoras em sua capacidade gerencial, mesmo que você não ocupe esse cargo, é sinal de que está no caminho certo. Quando isso acontece, a própria empresa começa a delegar atividades estratégicas e importantes a você.

Quer ficar por dentro de mais conteúdo com dicas valiosas para a sua carreira? Assine nossa newsletter para receber avisos de nossos próximos artigos!

Escreva um comentário

Share This